Quando vemos uma tempestade quase sempre nos encantamos e nos assustamos com seus belos e perigosos relâmpagos, e isso intrigou a humanidade desde que temos registros históricos. Mas afinal, o que são eles?

Hoje sabemos que os relâmpagos são descargas de energia elétrica que acontecem na atmosfera e elas ocorrem devido ao acúmulo de cargas elétricas em determinadas regiões, que geralmente são nuvens de tempestade.

Dentro de uma nuvem existe um número gigantesco de gotículas de água e elas estão em constante atrito umas com as outras e com isso trocando cargas elétricas até que uma região da nuvem fique com mais carga elétrica que outra região, então acontece um relâmpago que é o fluxo de cargas elétricas da região com maior concentração de cargas para a região de menor concentração.

Esse relâmpago pode ter 30.000 ampères de corrente elétrica que é mais que o suficiente para matar uma pessoa, a título de comparação, nossas tomadas tem entre 10 e 20 ampères. Ampère é a unidade de medida que nos diz quanto de carga flui por segundo em um fio ou condutor qualquer.

Um relâmpago dura em media 160 mili-segundos que é mais ou menos o tempo de um piscar de olhos e sua temperatura é de milhares de graus Celsius. Essa alta temperatura, que algumas vezes é maior que a temperatura da superfície do sol, faz o ar se expandir muito rapidamente ao seu redor causando um grande estrondo conhecido como trovão.

 Os relâmpagos possuem várias classificações que servem para especificar onde começam e onde acabam. Temos os que vão de uma parte que está mais carregada que outra da nuvem e são chamados de Intranuvem. Existem aqueles que vão de uma nuvem a outra e são chamados de nuvem-nuvem, outros vão da nuvem para o ar e são chamados de nuvem-ar, existem aqueles que vão da nuvem para o chão e são chamados de nuvem-solo ou solo-nuvem caso façam o caminho contrário, esses dois últimos são conhecidos também como raio.

Os raios são os tipos de relâmpagos menos recorrentes e correspondem a cerca de 10 a 20% das descargas elétricas numa tempestade.

As descargas nuvem-solo são divididas em dois grupos: os raios negativos e raios positivos. Como as cargas negativas geralmente se acumulam na base das nuvens, elas estão mais próximas do solo e isso facilita a ocorrência de raios negativos, os quais correspondem a 90% das descargas. Já os raios positivos são menos recorrentes, pois as cargas positivas se encontram na parte superior das nuvens o que dificulta um raio que vá do topo ao solo e por isso correspondem a cerca de 10% das descargas elétricas.

Os raios são necessariamente a passagem de cargas negativas da nuvem para solo, no caso do raio negativo, e do solo para a nuvem no raio positivo. Abaixo temos uma imagem que mostra passo a passo um raio em direção a terra:

(as duas ultimas imagens foram doadas pelo Dr Marcelo Sabá do CPTECINPE)

[Autor : Thiago M. Guimarães]

About these ads

Comentários em: "O que são raios, relâmpagos e trovões?" (1)

  1. DUAS NUVENS COM CARGAS DIFERENTES QUANDO ENTRAM EM CONTACTO PROVOCA UMA DESCARGA ELECTRICA.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 840 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: